Queimaduras solares – Uso de whey protein e glutamina para a regeneração da pele.

88cf1f498fba995d6066c6399f7d6e2da87b16b7

 

Muitas pessoas aproveitam o período entre os meses de novembro e março, as chamadas férias de verão, para matar a vontade de pegar uma praia ou curtir aquela piscina.  Infelizmente, devido à falta de cuidados, algumas pessoas são acometidas por queimaduras solares. Essas queimaduras são caracterizadas por uma inflamação que pode se apresentar como manchas avermelhadas ou bolhas no local afetado, seguidas por dor, queimação, coceira e mudança de textura da pele. Os sintomas variam de acordo com a profundidade e a gravidade da queimadura. Essa gravidade possui três graus de classificação:

Primeiro grau:  atingem a derme, camada mais superficial da pele. Caracterizam-se por causar o famoso “vermelhão” na pele.

Segundo grau: atingem a parte mais profunda da derme e chegam à epiderme. Costumam provocar dor mais intensa e o surgimento de bolhas ou inchaço no local afetado.

Terceiro grau: são as mais graves e provocam a destruição total de todas as camadas da pele. Sempre deixam cicatrizes.

Cuide-se!

As queimaduras “de praia” podem ser evitadas com alguns cuidados básicos como o uso de protetor solar com fator adequado à sua pele e ao grau de exposição ao sol. Mas, caso a queimadura acabe acontecendo, algumas atitudes devem ser tomadas para não agravar ainda mais o problema:

• Hidratação: beba muita água, água de coco e faça compressas com água fria no local. Use cremes hidratantes especiais para queimaduras.

Evite banhos com água quente e o uso de sabonetes, ambos tornam a pele mais ressecada e aumentam a descamação.

Não estoure as bolhas e evite remover as “casquinhas”, elas têm a função de proteger a pele, ainda em formação.

 


 

Shakes com whey e glutamina: grandes aliados para a regeneração da pele após queimaduras. 

Queimaduras solares geram estresse ao organismo. Para que ocorra a recuperação dos tecidos, os níveis de glutamina caem, aumentando a chance de lesões e inflamações devido à baixa imunidade.

A Glutamina é um suplemento anti-inflamatório. Reduz a inflamação, recupera lesões, feridas e queimaduras.

No processo de cicatrização, o corpo está trabalhando para curar, regenerar a pele, exigindo maior quantidade de proteínas. As proteínas e seus aminoácidos são os “blocos de construção”  que iniciam o crescimento de nova pele durante esse processo. Uma quantidade insuficiente de proteína pode retardar a cicatrização.

Whey protein é uma proteína de alta qualidade e uma excelente escolha para regeneração da pele no tratamento de queimaduras.

Confira algumas receitas de sucos e shakes que tem o papel de hidratar e auxiliar na recuperação do organismo nessa situação:

 SUCOS HIDRATANTES

Suco de abacaxi

-1 copo de água de coco;

-1 fatia grossa de abacaxi;

-5 g de Glutamina;

Preparo: Bata no liquidificador a água de coco com o abacaxi. Coe, acrescente a Glutamina e sirva gelado.

 

Suco de kiwi com maçã

-1 copo de água de coco;

-1 kiwi descascado e cortado;

-1 maçã verde sem semente;

-5 g de Glutamina

Preparo:  Bata a água de coco, o kiwi e a maçã no liquidificador. Coe, acrescente a Glutamina e sirva.

 

SHAKES HIDRATANTES

Shake tropical 

-½ copo (100 ml) de água;

-1 fatia fina de abacaxi;

-4 morangos;

-½ colher de sopa de folhas de hortelã;

-1 colher de sobremesa de linhaça;

-1 scoop de whey protein Integralmédica sabor baunilha.

Preparo: Bata todos os ingredientes no liquidificador, sirva gelado.

 

Shake de frutas vermelhas (rico em vitamina C) 

-1 xícara de frutas vermelhas congeladas (morango, framboesa, amora);

-½ xícara de suco de laranja;

-1 xícara de água;

-½ colher de sopa de sementes de chia;

-1 scoop de whey protein Integralmédica sabor morango.

Preparo: Bata todos os ingredientes no liquidificador, acrescente gelo à gosto.

 

BONET, A; Grau, T. La glutamina, un aminoácido casi indispensable en el enfermo    crítico. Med Intensiva, v.31, p.402-6, 2010.

SGARBIERI, V.C., Revisão: Propriedades estruturais e físico-químicas das proteínas do leite. Brazilian Journal of Food Technology, v.8, n.1, p. 43-56, jan./mar 2013.

 

Larissa Cunha – Arquivo próprio.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *