Suco de beterraba concentrado (nitrato) e seus efeitos no exercício de força

097b2cea9099a1e194d78979b61ea451f766de5e

Alimentos e produtos alimentícios ricos em nitrato podem promover diversos benefícios esportivos de caráter ergogênico. Uma das possíveis explicações para tais benefícios está no fato de que o consumo de nitrato faz com que o músculo produza força com menor custo energético, otimizando, consequentemente, a eficiência neuromuscular (força muscular). O consumo dietético de nitrato é uma das formas de aumentar a concentração sanguínea de nitrito de modo a favorecer a síntese de NO (óxido nítrico), resultando em vasodilatação e aumento do fluxo sanguíneo muscular em condições de hipóxia (baixa concentração de oxigênio), ou seja, durante o exercício de força intervalado de alta intensidade. 

O metabolismo do nitrato em nosso organismo é favorável, uma vez que pouco se perde pelo trato gastrointestinal e o restante é absorvido, elevando os níveis sanguíneos de nitrato para a formação de óxido nítrico (NO), gerando a resposta de vasodilatação. A beterraba, conhecida por ser fonte de antioxidantes, potássio, sódio, betaína, magnésio e vitamina C é também uma das fontes alimentares mais ricas em nitrato. O consumo de suco de beterraba concentrado (o industrializado feito com matéria-prima natural, não o suco convencional caseiro) tem demonstrado ser extremamente eficiente em reduzir o custo energético para determinada tarefa muscular. Por exemplo, ingerir suco de beterraba concentrado antes do exercício aeróbio reduz o custo de oxigênio e aumenta a tolerância ao esforço. Já no exercício de força de alta intensidade, reduz o custo de energia para que o músculo desempenhe contrações de força máxima com mais eficiência.  

Em termos práticos, o consumo de nitrato, por meio do suco de beterraba concentrado, proporciona aumento na tolerância ao esforço, que se traduz em maior número de repetições executadas até a falha muscular e de carga suportada durante o exercício. Além disso, a ingestão do suco de beterraba concentrado pode reduzir a sensação de dor muscular tardia ocasionada pelo exercício de força de alta intensidade, dor essa que muitas vezes se reflete em maior perda de força muscular e queda de desempenho nas sessões seguintes de treino. 

O consumo de nitrato per se não apresenta potencial de toxicidade. Seus metabólitos levantam a hipótese de possíveis ocorrências de efeitos adversos como carcinogênese, carcinoma renal e lesão renal aguda, quando consumido em altas dosagens ou de modo crônico. Há evidências recentes, porém, demonstrando que o consumo de alta dosagem de sal de nitrato durante 7 dias consecutivos não causou qualquer efeito deletério sobre a função renal de indivíduos saudáveis tanto em repouso quanto após o exercício de alta intensidade. Portanto, se a suplementação de nitrato realizada em alta dosagem e cronicamente na forma de sal não induz qualquer efeito deletério na função renal, a forma concentrada do suco de beterraba (desde que de origem natural, é segura). 

 

Referências bibliográficas

1.Stamler JS, Meissner G. Physiology of nitric oxide in skeletal muscle. Physiol Rev 81: 209–237, 2001.

2.Dejam A, Hunter CJ, Schechter AN, Gladwin MT. Emerging role of nitrite in human biology. Blood Cells Mol Dis 32: 423–429, 2004.

3.Lundberg JO, Carlström M, Larsen FJ, Weitzberg E. Roles of dietary inorganic nitrate in cardiovascular health and disease. Cardiovasc Res 89:525–532, 2011.

4.Wylie LJ, Kelly J, Bailey SJ, Blackwell JR, Skiba PF, Winyard PG, Jeukendrup AE, Vanhatalo A, Jones AM. Beetroot juice and exercise: pharmacodynamic and dose-response relationships. J Appl Physiol (1985). 2013 Aug 1;115(3):325-36.

5.Wylie LJ, Bailey SJ, Kelly J, Blackwell JR, Vanhatalo A, Jones AM. Influence of beetroot juice supplementation on intermittent exercise performance. Eur J Appl Physiol. 2016 Feb;116(2):415-25.

6.Clifford T, Bell O, West DJ, Howatson G, Stevenson EJ. The effects of beetroot juice supplementation on indices of muscle damage following eccentric exercise. Eur J Appl Physiol. 2016 Feb;116(2):353-62

7.Carpentier A, Stragier S, Bréjeon C, Poortmans JR. Nitrate supplementation, exercise, and kidney function: are there detrimental effects? Med Sci Sports Exerc 2015;47(7):1519–1522.

8.Higgins JP, Tuttle TD, Higgins CL. Energy beverages: content and safety. Mayo Clin Proc. 2010; 85:1033–41.

9.Acheson KJ, Zahorska-Markiewicz B, Pittet P, Anantharaman K, Jequier E. Caffeine and coffee: their influence on metabolic rate and substrate utilization in normal weight and obese individuals. Am J Clin Nutr 1980; 33: 989–997.

10.Dulloo AG, Geissler CA, Horton T, Collins A, Miller DS. Normal caffeine consumption: influence on thermogenesis and daily energy expenditure in lean and postobese human volunteers. Am J Clin Nutr 1989; 49: 44–50.

11.Hollands MA, Arch JR, Cawthorne MA. A simple apparatus for comparative measurements of energy expenditure in human subjects: the thermic effect of caffeine. Am J Clin Nutr 1981; 34:2291–2294.

 

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *